Samarco, empresa da Vale, não pagou R$ 1,1 bilhão e foi inscrita na dívida ativa

 

Pescador no Espírito Santo: lama da Samarco se espalhou pelo Rio Doce e prejudicou a vida de milhões de pessoasImagem: Fabio Braga/ Folhapress

Empresa da Vale e da BHP Billiton, a Samarco lidera o ranking das mineradoras devedoras de impostos, de acordo com levantamento feito pelo site UOL com base em dados da PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional). A empresa não pagou R$ 1,1 bilhão e foi inscrita na dívida ativa, o cadastro dos devedores da União.

A Samarco também não pagou a maioria das multas que recebeu por causa da tragédia em Mariana (MG), em 2015.

Naquele acidente, o rompimento de uma barragem com 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração matou 19 pessoas e uma comunidade foi arrasada. Um rastro de 600 quilômetros de destruição prejudicou a população de Minas Gerais e Espírito Santo.

A LISTA DAS DEVEDORAS
Segundo o levantamento do UOL que foi feito em 11 de fevereiro e considerou apenas as empresas mineradoras que deviam mais de R$ 1 milhão. As 363 firmas encontradas somam R$ 7,5 bilhões em débitos não pagos. Veja aqui a lista com as mineradoras devedoras.

A Samarco é responsável por 15% de todos os débitos. Ela e mais duas empresas, que formam o “pódio” das devedoras, concentram um terço de toda a dívida do setor.

No topo da lista com a Samarco está a Mitomineração Tocantins Ltda deve R$ 915 milhões. Terceira maior devedora, a Agroindustrial e Mineração Diacal Ltda deve R$ 422 milhões ao Poder Público.

A reportagem procurou as duas empresas durante a semana passada mas não conseguiu contato com os responsáveis. Foram deixados recados para retorno. Os esclarecimentos serão publicados caso sejam enviados ao UOL.

Em nota, a Samarco disse não ter pendências “perante a Receita”, mas não comentou o fato de estar no cadastro da PGFN.

A Samarco não tem pendência tributária perante a Receita Federal, recolhe todos os tributos que entende serem devidos e discute administrativa e judicialmente cobranças que entende indevidas, com base em doutrina e jurisprudência sobre o tema.

Samarco, via assessoria de imprensa

Fonte: UOL