Servidores recebem benefícios que deveriam ser pagos em 2015 e 2016

Além dos atrasados referentes a diferença de horas extras, não pagos na gestão passada, a Prefeitura está pagando os benefícios de férias prêmio a cerca de 500 servidores.

Cuidar do servidor é uma das metas da Prefeitura de Anchieta. Pensando nisso, a atual gestão realizou o pagamento de direitos trabalhistas, referente a diferença de horas extras sobre 1/3 de férias e 13º salário de 830 servidores, que deveriam ser pagos na gestão passada. O valor total deve investimento já chegou a R$ 2.197.000,00.

De acordo com informações da Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos, esses processos estavam parados e são referentes aos anos de 2015 e 2016. Para o prefeito Fabrício Petri, os direitos trabalhistas são garantidos aos servidores e já deveriam ter sido pagos. “Herdamos mais essa dívida, mas, mesmo enfrentando a maior crise financeira de nossa história, conseguimos honrá-la”, disse.

Outro compromisso da administração é com os servidores que estão completando 10 anos de trabalho efetivo no município e têm direito a férias prêmio. O benefício está sendo pagos rigorosamente, atendendo cerca de 500 servidores.

A Prefeitura também investe na Saúde Ocupacional do Servidor, um setor dedicado para cuidar dos servidores municipais. Lá é oferecido total apoio, com especialistas à disposição.

Aposentadoria Voluntária

No ano passado, a Prefeitura criou o programa de Aposentadoria Voluntária (PAI). A iniciativa virou lei e beneficiou 60 servidores. O PAI concedeu incentivo de R$ 800 por ano de trabalho efetivado aos servidores que já tinham tempo para pedir aposentadoria, mais ainda estavam na ativa. Com o incentivo, 60 servidores aderiram à medida, superando em 100% a meta da administração.

O dobro de servidores que a administração previu pediram aposentadoria e tiveram seus direitos concedidos juntamente com os benefícios que a nova lei propôs. Com isso, a prefeitura terá uma economia de R$ 246 mil todo mês na folha de pagamento, o que representa R$ 3,2 milhões anuais. A lei limita para 35 anos o teto máximo de anos trabalhados. Na prática, se o servidor efetivo com 35 anos de trabalho que aderiu ao programa recebeu R$ 28 mil de incentivo.