Mais de 200 mil na fila para consultas e exames na rede pública do Espírito Santo

Mais de 200 mil na fila para consultas e exames na rede pública do Espírito Santo
A dona de casa Luiza Passos Silva, 56 anos, aguarda há dois meses por uma consulta com oftalmologista, em Vitória.

Na Grande Vitória, 218 mil pessoas aguardam na fila por exames e consultas com médicos especialistas e outros profissionais de saúde na rede pública. A demanda é por procedimentos de média complexidade, em geral oferecidos pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). O tempo de espera varia, mas pode chegar até a um ano e meio.

Os dados são dinâmicos e mudam à medida que os pacientes recebem atendimento. Levantamento feito por A GAZETA, na última semana, mostra que, em Vitória, são cerca de 77 mil solicitações para procedimentos ambulatoriais especializados, mas a capacidade mensal gira em torno de 24 mil atendimentos, divididos entre Estado, com o qual o município tem parceria, e a própria estrutura da administração municipal.

O tempo de espera, segundo a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), tem variações devido à classificação de prioridades, ou seja, por meio de uma Central de Regulação as solicitações são classificadas conforme o quadro clínico do paciente e não por ordem cronológica do pedido.

“As classificações são divididas em prioritárias e eletivas. Em se tratando de prioridades, o município, em conjunto com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), busca ofertar a vaga em aproximadamente 30 dias da solicitação cadastrada no sistema. Já as eletivas podem ser ofertadas em cerca de 180 dias”, informa a Semus, em nota.

Na Serra, outros 90 mil pacientes aguardam pela regulação de vagas à espera de consultas e exames. No município, as especialidades com mais demandas são oftalmologia, cardiologia e ortopedia, nesta ordem. Em média, o tempo de espera é de quatro meses.

Já em Vila Velha, pelo menos 30 mil pessoas esperam por atendimento com especialistas que, assim como na Capital, pode ser feito tanto pelo município quanto pela Sesa.

Para oftalmologista, há 9,5 mil pacientes à espera de um procedimento e, todos os meses, chegam em torno de 650 novas solicitações. Mas essa é uma demanda que apenas o Estado atende. Vila Velha, atualmente, tem oferta própria nas áreas de ortopedia e psiquiatria, também com alta demanda na cidade.

Em Cariacica, o último levantamento apontou que 21.337 pacientes aguardavam liberação de vagas ambulatoriais. De consulta com oftalmologia à cirurgia ginecológica, a fila de espera segue normas da Sesa e o paciente pode levar até 18 meses para ser atendido.

SITUAÇÃO DE CADA MUNICÍPIO

Vitória

Serviço

Os procedimentos especializados ofertados no município podem ser próprios ou por meio de parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Atualmente, há cerca de 77 mil solicitações para atendimentos especializados, enquanto a oferta é de 24 mil

por mês.

Especialidades

As principais especialidades médicas com demandas no município de Vitória são oftalmologia, cardiologia, angiologia, neurologia e ortopedia. Há alguns exames que também são bastante procurados, e apenas ofertados por meio da parceria com a Sesa. São eles: estudo urodinâmico, ressonância, eletroneuromiografia e videolaringoscopia.

Serra

Serviço

Há aproximadamente 90 mil pacientes aguardando retorno do Estado para atendimento com médico especialista. Em média, a espera é de 4 meses.

Especialidades

As principais demandas no município são para oftalmologia, cardiologia e ortopedia.

Cariacica

Serviços

No município, mais de 21 mil pacientes aguardam por consultas e exames com especialistas, serviço oferecido pelo Estado. O tempo de espera pode chegar a 18 meses, ou

Especialidades

As maiores demandas são para oftalmologia, psiquiatria, neurologia, fisioterapia e cirurgia ginecológica.

Vila Velha

Serviços

O município tem cerca de 30 mil pacientes cadastrados e aguardando agendamento pela regulação estadual para diversas especialidades de consultas e exames.

Especialidades

O maior volume apresentado é para as áreas de oftalmologia, neurologia ortopedia e psiquiatria. Nestas duas últimas especialidades, o município também oferta o serviço e o atendimento é feito mediante a regulação das vagas.

Estratégias para reduzir tempo

Embora não estabeleça um prazo, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) pretende reduzir o tempo de espera dos pacientes que aguardam por procedimentos especializados.

Chefe do Núcleo Especial de Regulação de Consultas e Exames da Sesa, Patrícia Vedova, explica que a demanda sempre vai existir, e por isso não trabalha com a perspectiva de “zerar a fila”, mas sim para diminuir o tempo.

Entre as estratégias, Patrícia aponta a implantação da Rede Cuidar, que visa à descentralização dos serviços de saúde, oferecendo consultas mais perto e mais rápido à população.

“Outra forma também é a realização de mutirões, com o Estado disponibilizando um número maior de prestadores de serviço para a realização dos procedimentos”, destaca.

Patrícia reconhece que oftalmologia é um dos principais gargalos, já que qualquer pessoa pode precisar desse profissional, e um novo mutirão está previsto para este ano a fim de atender à demanda na área.

Gazeta Online