MPES identifica mais de 4 mil pessoas que compraram diplomas falsos

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Norte) e da Promotoria de Justiça de Rio Bananal, encaminhou à Secretaria de Estado da Educação (Sedu) e às secretarias municipais de Educação uma lista com mais de 4 mil nomes de pessoas que, de algum modo, receberam diploma de graduação, de pós-graduação e de cursos livres de forma irregular na Região Norte do Estado. A lista foi obtida pelo MPES após colaboração premiada, envolvendo investigados nas diferentes fases da Operação Mestre Oculto, que tem como objetivo desarticular um esquema criminoso de obtenção de diplomas de curso superior, visando especialmente à nomeação em cargos públicos.

Caberá à Sedu e às prefeituras apurarem a situação individual dos nomes que estão listados para esclarecer se o documento utilizado era ou não produto de fraude, e buscar junto ao MPES ou à Polícia Civil a responsabilização dos fraudadores. Eles poderão responder por crime de falsidade e até por ato de improbidade administrativa. A lista com os nomes não será divulgada.

Em janeiro deste ano, o MPES encaminhou uma primeira lista, com 915 nomes, para a Prefeitura de Rio Bananal – município onde a investigação começou. Até agora, são cinco fases de investigações em curso, que apontam que mais de 4 mil diplomas de graduação e certificados de pós-graduação e cursos livres foram obtidos com fortes suspeitas de fraude na Região Norte do Estado.

Denúncias

As investigações envolvendo as duas primeiras fases da Mestre Oculto avançaram e se desdobraram nas operações Estória, Viúva Negra e Lato Sensu, todas deflagradas pelo MPES. Donos de instituições de ensino localizadas no Norte do Estado foram presos, além de pessoas ligadas ao esquema criminoso de compra e venda de diplomas e certificados. A última prisão ocorreu no dia 11 de abril deste ano, na Operação Lato Sensu, realizada em São Mateus. Um professor e coordenador de curso de pós-graduação de um instituto de educação daquela cidade foi preso preventivamente.

Em 24 de agosto de 2018, o MPES denunciou à Justiça 11 pessoas investigadas nas duas fases da Operação Mestre Oculto. Outras duas pessoas, donas de um centro educacional, foram denunciadas em 13 de dezembro de 2018, por venda de diplomas e certificados de forma fraudulenta, sem que os alunos participassem efetivamente das aulas. Os dois, mãe e filho, tinham sido presos no dia 10 de dezembro daquele ano, durante a Operação Viúva Negra, desdobramento da Operação Mestre Oculto.